Mais Esperança

30.03.2022

“STOP Infeção Hospitalar”, candidaturas até 1 de maio

Projeto da DGS e da Fundação Gulbenkian pretende reduzir infeções em doze hospitais públicos.

As infeções hospitalares matam sete vezes mais do que os acidentes de viação e originam despesas de cerca de 300 a 400 milhões de euros por ano. 

Para combater este problema, é relançado o projeto STOP Infeção Hospitalar”, uma Iniciativa do Programa de Prevenção e Controlo de Infeções e de Resistências aos Antimicrobianos da DGS (PPCIRA), em colaboração com a Fundação Calouste Gulbenkian. O objetivo é reduzir a taxa de infeções em mais 12 unidades hospitalares do Serviço Nacional de Saúde.

As candidaturas para este projeto estão abertas até 1 de maio, no site da DGS.

É considerada infeção hospitalar qualquer infeção adquirida durante o internamento, podendo manifestar-se também após a alta, desde que relacionada com o período que o doente passou internado ou com os procedimentos realizados no hospital.

Lançado em 2015 pela Gulbenkian e pela DGS, este projeto visa prevenir e diminuir a mortalidade associada às infeções hospitalares e o tempo de internamento deste tipo de doentes, bem como os custos associados a este problema. 

Pretende-se avaliar com periodicidade regular os resultados de cada hospital onde este projeto é aplicado. 

Entre 2015 e 2018 foi possível reduzir em mais de 50% as infeções hospitalares, na sequência do projeto “STOP Infeção Hospitalar”, em 19 hospitais do SNS, tendo sido ultrapassados os objetivos em todas as frentes.

Portugal tem uma das piores taxas da Europa em matéria de infeções hospitalares.